Como Lidar Com A Vontade De Comer Doce?

by | May 30, 2018 | Alimentação, Autocuidado, Mentalidade

Como lidar com a vontade de comer doce?

Essa é uma das questões que eu mais escuto das mulheres que sentem que estão lutando contra a comida – e certamente foi uma das minhas grandes dificuldades por muito tempo, enquanto eu vivi presa na mentalidade de dieta, tentando emagrecer sem sucesso.

Essa vontade muitas vezes parece ser maior do que você e acabar com os seus esforços de comer melhor. Por mais que eu não goste de vilanizar nenhum alimento, açúcar em excesso não é exatamente saudável.

E mesmo que você diga “eu não ligo pra doce, o meu problema são os salgados”, eu reforço: nenhum excesso é bom – até água em excesso é prejudicial.

​E se sentir refém da comida também não é nenhum pouco bacana.

A verdade é que não importa qual a sua “tentação”, o que importa é a sensação que você tem quando come.

Em linhas gerais, o que nós buscamos nesses alimentos é conforto, pura e simplesmente.

E O QUE CONFORTO TEM A VER COM A VONTADE DE COMER DOCE?

Eu quero que você imagine que a sua melhor amiga acabou de tomar o maior pé na bunda da história do namorado dela (aquele mesmo que você já tinha dito que não era uma boa investida). Ela está chorando, desesperada para te contar tudo o que houve.

Você por acaso mandaria ela calar a boca e a levaria para a sorveteria mais próxima, e lhe diria “tome esse sorvete e vai ficar tudo bem”?

Eu aposto que a sua abordagem um pouco diferente. Embora você pudesse lhe oferecer algo gostoso para comer, eu tenho certeza que o seu foco seria em deixá-la chorar até cansar e desabafar todos os detalhes do ocorrido. Você provavelmente xingaria junto e se mostraria solidária com a situação. E você também tentaria lhe dar novas perspectivas sobre o término, interpretando tudo de uma forma mais positiva, a acalmando e reforçando o quanto ela é maravilhosa.

Contudo, é exatamente isso que você evita fazer com você mesma quando alguma emoção desconfortável surge. Você tenta se reconfortar indo até a sorveteria, tomando um sorvete para calar a si mesma, calar as emoções que estão aflorando.

E funciona.

Por 5 minutos (ou menos) você se sente aliviada e melhor. Você encontrou conforto naquele sorvete (substitua “sorvete” pelo alimento da sua preferência).

Mas… e depois?

Veja, toda emoção desconfortável é originada de um pensamento negativo. Pode ser algo muito real, do tipo bateram no seu carro e você está pensando na grana que vai gastar para consertar tudo, ou pode ser algo mais abstrato, como quando você se olha no espelho e se acha repugnante, e então ocorre uma avalanche de pensamentos negativos sobre como você é fraca, desprezível e nunca vai encontrar alguém que te ame (pesado, mas real).

Qualquer que seja o tipo do pensamento negativo, ele será seguido se uma emoção desconfortável, como tristeza, raiva, desespero, etc. E você até pode comer para aliviá-la, mas a comida não é capaz de eliminá-la. Ela ainda estará lá quando você acabar com a caixa de bombons.

Por isso, a melhor forma de lidar com a vontade de comer doces (ou qualquer alimento que te conforte) é encarar o que você está sentindo e investigar de onde vem. Nós temos padrões de resposta emocional, por isso é natural que você sempre se sinta de determinada forma em resposta ao mesmo pensamento.

A SOLUÇÃO É PERMITIR-SE SENTIR AS SUAS EMOÇÕES DESCONFORTÁVEIS

O grande desafio é que nós aprendemos que devemos ser fortes e inabaláveis, e que sentir-se mal ou triste é sinal de fraqueza. Mas e te garanto que o desconforto está presente nas coisas que mais valem a pena na vida.

Quando eu penso na minha vida, as coisas mais importantes que já conquistei incluíram muitos momentos difíceis – estudar para o vestibular, defender minha tese, trocar de carreira, mudar de cidade tantas vezes, morar fora do País, empreender. São coisas que me enchem de felicidade, mas que levaram muitas vezes à chorar por horas seguidas, pensando em desistir de tudo.

Quando você percebe que todas as coisas boas da sua vida vão acarretar emoções desconfortáveis em alguns momentos, elas ficam menos assustadoras.

Está tudo bem se não está tudo bem.

Ao parar de fugir e realmente sentir as suas emoções negativas, você começa a entendê-las. Você pára de administrar aquela emoção momentaneamente e se mune de ferramentas para transformar os seus pensamentos e a sua realidade.

Não fuja das suas emoções. Tentar silenciá-las com comida é como querer se enganar colocando um band-aid num tumor. Sem sentido.

Quando a emoção desconfortável aflorar, deixe a vir. Da mesma forma que a alegria é passageira quando você come, o desconforto é passageiro. Ele tem um pico e depois se esvai.

Se você parar de reagir a ele com comida, você é capaz de enraizar esse novo comportamento e finalmente ser capaz de parar de sofrer com a vontade de comer doces.

Lívia Raimundo

Lívia Raimundo

Coach Alimentar, Pn1

Eu ajudo mulheres a comerem melhor e emagrecerem sem neuras.

Eu sou coach nutricional, doutora em marketing de alimentos, estudante de Nutrição, aquariana, louca por café, livros e um bom papo. Eu também amo cozinhar (e comer, óbvio).

Eu vivo em São Paulo com o meu noivo e dedico a maior parte do meu tempo a inspirar mulheres a alcançarem uma relação mais leve e feliz com a comida e com o próprio corpo.

O Passo-a Passo para Escapar da Prisão da Comida

Quiz da Liberdade Alimentar

Teste seu nível de conhecimento e habilidade nos exatos pontos que eu aprendi a dominar para reescrever a minha história com a comida e com o meu corpo!

Relacionados

Coisas que te nutrem além da comida

Coisas que te nutrem além da comida

Se você percebe que frequentemente come sem fome genuína e que grande parte da sua alimentação é movida pelas suas emoções, pode ser que outros aspectos da sua vida estejam desnutridos. Ampliar as suas formas de suprir suas demandas internas é um passo muito importante no caminho da liberdade e autonomia alimentar!

read more
Engordei na quarentena. E agora?

Engordei na quarentena. E agora?

A sua prioridade deve ser sempre o cuidado com a sua saúde física e mental. Lembrar que respirar, mover o corpo, manter a mente ocupada com qualidade e se alimentar bem e de forma consciente são ingredientes básicos para uma vida equilibrada. Não só na quarentena como em todos os outros períodos difíceis que você enfrentar na vida.

read more

Comentários

0 Comments