Como Superar a Fome Emocional

by | Jun 22, 2017 | Fome Emocional

Se você se sente fora de controle perto da comida, há grandes chances de você estar sofrendo de fome emocional – aquela que chega repentinamente e parece quase… insaciável.

Sendo que eu mesma sofri desse mal por muito tempo, eu trago algumas considerações sobre o porque a sua fome emocional não é de todo mal e o primeiro passo que você precisa dar para superará-la.

FOME EMOCIONAL NEM SEMPRE É RUIM

Primeiramente,

O termo “fome emocional” pode ter tanto conotação positiva quanto negativa.

Por um lado, perceber que usamos os alimentos por razões emocionais, e não por razões físicas, é um passo importante para fazer escolhas mais “saudáveis” em relação à comida, independentemente dos seus objetivos em relação ao seu corpo.

Quando entendemos que somos levadas a comer por gatilhos emocionais, temos a oportunidade de fazer algo sobre isso. Temos a chance de cuidar das raízes das nossas emoções negativas e curar o que realmente está acontecendo.

Nesse sentido, a fome emocional funciona como um alarme de incêndio. Ela indica que algo na sua vida não vai bem, mesmo que você não consiga identificar.

Sendo assim, eu chego a afirmar que o seu descontrole perto da comida é quase um “salva-vidas”, porque ele te ## mostra que existe algo que você está ignorando e precisa cuidar.
Agora.

Dito isto, a nossa obsessão cultural com o controle e a manipulação do peso nos leva a vilanizar o comer emocional, como se comer algo apenas pelo prazer fosse um crime!

A comida está intrinsecamente ligada à nossa história, à nossa cultura e relacionamentos… e não podemos ignorar que existe uma conexão profunda entre o que comemos e quem somos.

Essa vilanização é potencialmente problemática e, provavelmente, a minha maior crítica de como a fome emocional é tratada pelo senso comum.

A SUA FOME EMOCIONAL É FOME DE SATISFAÇÃO

Existe uma diferença gritante entre comer um pedaço de bolo num aniversário – a meu ver, um comer emocional positivo – e comer duas barras de chocolate no meio da tarde por conta de uma ## crise de ansiedade ou tédio.

No último caso, a fome vai além do emocional, ## é fome de satisfação.

Acredite, ter satisfação real na vida é muito mais difícil do que sentar no sofá com um saco gigante de Ruffles.

Quando transformamos a fome emocional num pecado – outro comportamento a ser evitado a todo custo – caímos na mesma ## mentalidade de dieta

mentalidade de dieta
que nos leva à compulsão alimentar e a outros comportamentos disfuncionais com relação aos alimentos. Do tipo, comer emocional é ruim, então se seu comer um pedaço de bolo é melhor comer o bolo inteiro, já que amanhã não vai ter.

A minha missão é te oferecer outra perspectiva: uma maneira de curar a sua relação emocional com a comida, sem envergonhar ou julgar os seus instintos em relação ao que você come.

Superar a fome emocional não é sobre “comer ou não comer” o chocolate ou o bolo. Não é sobre se controlar mais.

Para superar a fome emocional é preciso se conectar mais profundamente ao que ## realmente precisamos atender nossas necessidades emocionais e fazer escolhas alimentares impulsivas visando somente o conforto emocional.

Já diz o sábio ditado…

Fome da alma comida nenhuma acalma.

Lívia Raimundo

Lívia Raimundo

Coach Alimentar, Pn1

Eu ajudo mulheres a comerem melhor e emagrecerem sem neuras.

Eu sou coach nutricional, doutora em marketing de alimentos, estudante de Nutrição, aquariana, louca por café, livros e um bom papo. Eu também amo cozinhar (e comer, óbvio).

Eu vivo em São Paulo com o meu noivo e dedico a maior parte do meu tempo a inspirar mulheres a alcançarem uma relação mais leve e feliz com a comida e com o próprio corpo.

O Passo-a Passo para Escapar da Prisão da Comida

Quiz da Liberdade Alimentar

Teste seu nível de conhecimento e habilidade nos exatos pontos que eu aprendi a dominar para reescrever a minha história com a comida e com o meu corpo!

Relacionados

Coisas que te nutrem além da comida

Coisas que te nutrem além da comida

Se você percebe que frequentemente come sem fome genuína e que grande parte da sua alimentação é movida pelas suas emoções, pode ser que outros aspectos da sua vida estejam desnutridos. Ampliar as suas formas de suprir suas demandas internas é um passo muito importante no caminho da liberdade e autonomia alimentar!

read more
Engordei na quarentena. E agora?

Engordei na quarentena. E agora?

A sua prioridade deve ser sempre o cuidado com a sua saúde física e mental. Lembrar que respirar, mover o corpo, manter a mente ocupada com qualidade e se alimentar bem e de forma consciente são ingredientes básicos para uma vida equilibrada. Não só na quarentena como em todos os outros períodos difíceis que você enfrentar na vida.

read more

Comentários

0 Comments